Tags

, , , ,

Por Izabel Ribeiro Filippi

vida

Nos dias de hoje, as mulheres católicas – ao menos aquelas com um mínimo de noção de moral e doutrina e vontade de viver a castidade e a modéstia – se deparam com um dilema que para a maioria das mulheres sequer lhes passa pela cabeça: que roupa comprar, que roupa usar? Em meio a tantos “minis”, “mini-saias”, “mini-shorts”, “mini-blusas”, e assim por diante, é preciso fazer um serviço de peneira para poder vestir-se adequadamente.

É claro que ser católica não significa um mesmo estilo de se vestir. Os estilos são variados, mas todos devem respeitar a dignidade humana, sem expor o corpo como algo a ser desejado por todos. E, por incrível que pareça para aquelas que acham que não existe roupa bonita sem decote, estas roupas existem, podem ser elegantes e exaltar a real beleza feminina, e não apenas deixar a mulher sensual, como prega insistentemente a mídia.

Muitas mulheres se preocupam com o que vestir para trabalhar, para ir para o local de estudos, para ir a uma festa. Mas e para aquele grande dia da vida de qualquer mulher, o dia de seu matrimônio, será que este é um dia a parte, onde tudo se torna permitido? Será que, apenas neste dia, a mulher pode ceder ao uso dos tomara-que-caias abundantemente presentes nas lojas especializadas em trajes de casamento, ou então às alças milimétricas que estão em vários vestidos, ou aos decotes que estão além do que a modéstia nos permite usar, e tudo isso dentro da casa de Deus? A resposta, obviamente, é não. Não nos é permitido relaxar neste dia, muito menos neste dia, o dia em que homem e mulher se tornarão uma só carne, o dia em que celebrarão o sacramento do matrimônio. A própria sacralidade deste ato deveria levar a mulher a querer vertir-se com mais pudor, com mais reverência, senão pelo sacramento que receberá, ao menos por respeito a Deus que alí se faz presente, em Sua casa. No entanto, como é triste ver a maioria dos casamentos em nossas Igrejas com tantos e tantos exemplos contrários a isso.

Será por falta de opções? Não. Com certeza as mulheres têm muitas opções. Ao menos para aquelas mulheres que não pensam ser o decote parte essencial de um vestido de casamento. Afinal, alguns centímetros de alça em um vestido não estragam em nada o visual de uma pessoa. E existem trajes deste tipo que são elegantes, belos, dignos do “dia de princesa” com que tantas e tantas sonham desde criança.

Apenas para exemplificar, numa rápida busca pela internet, é possível achar modelos decentes e belos. Modelos com mangas curtas, mangas longas, e até sem mangas, mas que não apresentam decotes nem alças. E incrível é ver como uma vestido tomara-que-caia, ao ganhar algumas rendas sobre os ombros, fica elegantemente deslumbrante e, ao mesmo tempo, decoroso, decente. Serão estes vestidos tão repudiáveis para que nós, mulheres, tenhamos que recorrer ao indecente no dia que é o ápice da vida de uma casal, o dia do matrimônio? Cada qual responda a esta pergunta conforme sua consciência.

Abaixo coloco alguns dos exemplos que encontrei, citados acima. São de estilos variados, alguns podem não ser do gosto de algumas pessoas, o que é normal. Mas ao menos vão além dos tão normais decotes de hoje em dia.

Fonte: O Ultrapapista Atanasiano