Tags

, , ,

Por Benjamin D. Wiker

Traduzido e adaptado por Andrea Patrícia

Como eu não recebi muitas correspondências de ódio de tarde, achei melhor escrever algo sobre a modéstia, a modéstia desta vez na Missa. Eu percebo, é claro, como este assunto é delicado, mas também sei que não sou o único perturbado por uma falta de modéstia. Estou certo de que não são poucos os sacerdotes que rangem os dentes a cada semana na expectativa de ter de ministrar para pessoas vestidas inadequadamente. (Veja o meu primeiro artigo, “Desenhar um limite- modéstia sexual e a busca do saber” .

Em primeiro lugar, é melhor ser claro sobre o que se entende por falta de modéstia. Imodéstia é – e aqui eu espero anular qualquer contradição – o oposto de modéstia. A modéstia é uma virtude filha da temperança, a virtude preocupada com “os desejos para o maior prazer”, como Santo Tomás de Aquino, disse. Somos animais, observou Aquino, e como os animais temos um desejo natural de preservar a nós mesmos como indivíduos “por meio de comida e bebida”, e como espécie “pela união dos sexos.” Colocado de forma simples, como todos os animais, nós naturalmente temos o desejo de comida e sexo – não no sentido bruto, contemporâneo de apetite incontrolável, que deve ser saciado a todo custo, mas no sentido antigo, o senso sadio desejando preservar a nós mesmos pela nutrição e nossa espécie por procriação. A modéstia não está preocupada com o ato sexual em si, mas com a apresentação pública da nossa natureza sexual.

Neste artigo, estou mais preocupado com a falta de modéstia das mulheres do que a dos homens na missa por três razões. Em primeiro lugar, vivemos em uma época em que moda feminina, especialmente minissaias e blusas colantes, é mais ousada que a os dos homens. Tal não foi sempre o caso. Por exemplo, em Chaucer “Parson’s Tale”, ouvimos falar de “o horrível vestuário desordenado e insuficiente” dos homens, que “de tão curtos mal cobrem os membros vergonhosos, de perversos intentos”. Esta lamentação especial de Chaucer por causa das roupas íntimas apertadas usadas pelos homens daqueles dias que não deixavam nada para a imaginação. Mas hoje, a menos que os homens comecem a vestir shorts esportivos para ir ao trabalho e à Igreja, é principalmente as mulheres que participam do impudor público. Ainda estou para ver um homem de calções spandex* dentro de uma igreja, mas eu vi miríades de minissaias – usadas até mesmo por mulheres com seus filhos batizados – que eram pouco mais do que estreitas faixas.

A segunda razão pela qual devo focalizar sobre as mulheres é que, para ser franco, eu sou um heterossexual incurável, e eu não tenho idéia de como as modas indecentes nos homens podem afetar as mulheres. Só posso supor que se os homens usarem calções de ciclista à Missa, eles poderiam ter o mesmo efeito sobre as mulheres que as minissaias têm sobre os homens.

Terceiro, eu acho que é verdade, a julgar pela história humana e a lamentável marcha da nudez e semi-nudez em filmes e propagandas de hoje, que as mulheres são capazes de afetar os homens com mais força pela sua falta de modéstia do que os homens são capazes de afetar as mulheres.

Há vários níveis de dificuldade em discutir imodéstia em nossa cultura. Eu classifico-os de acordo com as réplicas, sem dúvida, já na boca dos meus detratores que lêem este artigo. A primeira é: “Eu tenho o direito de usar o que eu quiser!” (também conhecido como “Quem é você para me dizer o que eu devo vestir?!”). A segunda é: “Mas isso é o que está na moda!” A terceira é: “Isso é problema seu, seu velho sujo!” E, finalmente, temos “Bem, você quer que a gente volte para a época vitoriana, quando até mesmo vislumbrar o tornozelo desnudo de uma mulher causava escândalo?”

Eu posso usar o que eu quero

Para refutar a afirmação de que temos o direito de usar o que quiser, imagine o seguinte. Fazendo o seu melhor para concentrar-se no grande espetáculo da graça divina que está prestes a acontecer, você está rezando obediente e frutuosamente antes da Missa – obedientemente, porque você vai à Missa atendendo a um dever sagrado no qual você é obrigado não só a adorar a Deus, mas também a lutar para a remoção das impurezas que o mantêm afastado Dele, e frutuosamente, porque nesta rara ocasião você transpassa o nevoeiro da preguiça e distração que normalmente envolve a alma cansada, e está verdadeiramente sentindo a presença amorosa de Cristo.

Imagine que eu estou dentro de uma igreja, caminhando a passos largos vagando orgulhosamente à direita do corredor central após seu banco, ostentando um conjunto de chifres de Cervus Elaphus, o alce norte-americano. São galhos impressionantes, do tipo que fazem com que as pessoas se cutuquem e sussurrem. Seja honesto. Não importa o quão profundamente você estivesse mergulhado em feliz oração, você não teria sido sacudido totalmente para fora dos braços da doce graça? Você não estaria agora de joelhos, em meio a pedaços quebrados de seu devaneio santo, dizendo a si mesmo: “Mas que coisa! Aquele idiota está usando chifres!”

Além disso, imagine que eu orgulhosamente me embaralho exatamente no banco em frente a você, plenamente consciente de que eu tinha atraído a atenção de todos. E você está lá, preso a Missa inteira, olhando através dos meus grandes galhos para o padre. E aí está você um pouco mais tarde, na parte mais sagrada da Missa, vendo a elevação da hóstia consagrada emoldurada pelas mesmas galhadas ridículas. E então, caminhando para receber o nosso precioso Senhor, você não está pensando piamente, “Meu Senhor e meu Deus”, mas ao mesmo tempo xingando ou rindo impiedosa e incontrolavelmente. Sua chance de restaurar a sua alma está arruinada durante a semana.

Na saída, você decide confrontar-me. (bom para você!) “Por que você usa chifres à Missa?” você pergunta educadamente. “Certamente você deve saber que todo mundo estava olhando para você?”

Imediatamente, e com um brilho escuro e ofendido, eu respondo: “Quem é você para me dizer o que vestir? Eu tenho o direito de usar o que eu quiser!”

Você não responderia: “Onde você poderia conceber um direito de usar chifres? Além disso, o que aconteceu com o meu direito mais sagrado – e dever – de me concentrar durante a Missa? Sua exibição era total distração!”

Vamos voltar em nosso exercício imaginário e nos perguntar: Não temos o direito de não ser afastados da Missa? Não temos também a obrigação moral muito grave de não afastar os outros? Se você estivesse no sopé do Monte Sinai, e “O Senhor desceu sobre ele em fogo; e a fumaça subiu como a fumaça de um forno, e todo o monte tremia grandemente” e “como o som da trombeta aumentou mais e mais, Moisés falava, e Deus lhe respondia no trovão”, você não estaria violando algo grande, terrível e santo dançando na frente das pessoas, agitando os braços, ou se balançando em um esforço para distraí-los? Quanto mais devemos evitar distrair as pessoas quando o próprio Deus, com um grande amor, terrível e santo, torna-se nossa comida e bebida?

Vamos voltar para o hall de entrada da igreja. Eu tiro meus chifres e digo: “Você está absolutamente certa senhora, e sua minissaia é tão perturbadora para todos os homens como meus galhos são para você – só que pior. Vestuário imodesto é feito para ser sexualmente atraente. Por qual outra razão que eles são chamados de ‘sexy’ se não for para capturar o efeito que tem sobre o sexo oposto? Considerando que não há mandamento bíblico sobre encarar galhos, Cristo alertou que “todo aquele que olhar para uma mulher com intenção impura, já adulterou com ela em seu coração “[Mateus 5,28]. Este é o mesmo Cristo que disse:” tentações para o pecado é certo de vir, mas ai daquele [ou daquela], através da qual elas vêm!” [Lucas 17,1]. Se você soubesse que esse mesmo Cristo estava aqui hoje, em pessoa, terrível em seu poder e pureza, severo em suas demandas, mergulhado na agonia da crucificação, e ofuscando em Sua santidade ressuscitada, como é que você teria se vestido? Bem, minha senhora, ele esteve aqui. E eu estou razoavelmente certo que qualquer tentativa consciente para distrair ou atrair outros Dele é um delito mais grave.”

Saias curtas estão em alta

Então aí está, simples meias de segunda-pele foram motivo de raiva dos homens nos dias de Chaucer e anquinhas e espartilhos eram para mulheres no século 19. Mas o que está na moda em um determinado momento, geralmente reflete a opinião de uma determinada cultura e desejos. Podemos sempre perguntar se essas crenças e desejos, e as modas que se desenvolvem como resultado, são dignos. Por exemplo, espartilhos, que provocavam estados próximos da asfixia em muitas mulheres, devem ser julgados como indignos. As mulheres não foram feitas para ter as cinturas de vespas, e a tentativa de torná-las assim era destrutiva. Da mesma forma, a moda pode trair a crença de uma cultura de que a expressão evidente do desejo sexual seja liberada do limite do quarto conjugal e solta em público. Minissaias são o resultado da revolução sexual. Esteja uma mulher em particular expressando sua solidariedade com a revolução ou não, sua roupa curta fala por si.

É o seu problema

Eu sou um homem velho e sujo? Somos todos sujos – manchados pelo pecado, cobertos com a fuligem da nossa luta contínua para escalar as montanhas purgativas desta vida, sujos por apostasia, e manchados com lágrimas arrependidas. Essa é a nossa condição nesta vida, se formos todos honestos sobre o estado de nossas almas. Estamos todos aqui para sermos limpos, para sermos lavados no sangue do Cordeiro, em um ritual estranho e assustador que, se o véu que Deus misericordiosamente coloca fosse levantado, iria levar-nos a todos a ficar de joelhos em pavor.

Sim, estamos aqui para sermos limpos, não para rolar na cada vez mais asfixiante poeira da nossa cultura. A cultura é obcecada por sexo, dinheiro, luxo de estilo persa, desperdiçando um tempo precioso em entretenimento raso, provendo a cada grito da carne os prazeres mais insignificantes e ignóbeis, arte que não eleva, música que excita a besta selvagem, e um circo contínuo de violência em nossos re-paganizados teatros. A Igreja deve ser um santuário da santa sanidade, uma ilha de retiro em meio as infladas bravatas de degradação sensual e nanismo intelectual. A Missa deve salvar-nos da cultura de massa.

Quando as vaidades dessa cultura invadem a Igreja, é um sinal de guerra. E é por isso que eu estou em oposição a imodéstia como estou a música pop, a arquitetura miserável e utilitária, ao flagrante exibicionismo da riqueza, e a toda infiltração de lá fora para cá. Devemos evangelizar a cultura, e não o contrário. Nós devemos fazer missões para promover a modéstia de dentro da Igreja, ao invés de levar os enfeites indiscretos da cultura para dentro de seus portões.

Voltar aos tempos vitorianos?

Como C.S. Lewis disse, quando você está perdido, refazendo seus passos para encontrar seu caminho de volta para a pista é realmente bom progresso. Por exemplo, porque não deveríamos querer voltar a uma época em que era seguro andar pelas ruas à noite, quando os nossos filhos não andavam atirando uns nos outros na escola, e quando os homens estavam brigando pelas mulheres ao invés de lutar pelo direito de casar-se com outros homens?

Mas, voltar aos velhos tempos não é a questão. Não precisamos nos referir a uma época de ouro para tentar reformar-nos moralmente. Os romanos pagãos do início da era cristã eram tão moralmente degradados como nós somos. Os “bons velhos tempos” romanos eram os do século V a.C, quando a famosa Lei das Doze Tábuas da lei ordenou que todos os bebês deformados fossem expostos, e as do século II a.C, quando Cato, o Velho instruiu os agricultores a vender escravos também debilitados pela idade de trabalhar, de modo a evitar ter que pagar por sua manutenção. Os cristãos vieram a formar os romanos em cristãos, não para reformá-los em “antigos romanos.”

Isso sempre foi verdade para os cristãos, que são chamados a uma norma severa de santidade em qualquer idade. Quando o cristianismo batiza uma cultura – sempre e onde quer que a cultura possa existir – as águas sagradas não agem como um banho confortável, mas como um ácido que corrói dolorosamente afastando os pecados cultivados por aquela cultura. É por isso que os cristãos de todos os tempos são chamados a serem mártires, ser um mártir significa, em primeiro lugar, ser uma testemunha e, por outro, tomar a cruz. Somos chamados a ser testemunhas de brava santidade, e não se misturar com a cultura de modo a não ser notado – e isso inclui a maneira como nos vestimos. Além disso, se somos verdadeiramente testemunhas, então experimentamos o peso da cruz e da dor aguda de ir na contramão da cultura – o que significa que podemos ser ridicularizados por estar fora de moda.

É por isso que não devemos apenas vestir-nos modestamente no interior de uma igreja, mas fora também. Se o que vestimos, fala, então nosso vestuário deve gritar bem alto e de forma visível, entre o público semi-nu que chama de quadrados os cristãos porque estes pensam de maneira diferente da Planned Parenthood, Dra. Ruth, Hugh Hefner, MTV, Madonna, e Dear Abby sobre o corpo e a sexualidade. Nós não somos mandados a esconder nossa luz sob um alqueire e, certamente, uma mulher não pode esconder modéstia sob uma minissaia não mais do que um homem pode esconder sua parte de baixo em um par de shorts de ciclista. Portanto, não é uma questão de voltar aos tempos vitorianos, mas de ir para frente, para a construção de tempos melhores para nós mesmos.

A modéstia, então, não é o ramo retorcido de alguns anos felizes do passado. É, e sempre foi, um dos doze frutos do Espírito Santo. Sobre estes, o Catecismo da Igreja Católica nos diz: “o Espírito Santo forma em nós como primícias da glória eterna.” “A pureza exige o pudor [grifo nosso]”, o Catecismo continua, como “parte integrante da temperança”, uma das quatro virtudes cardinais. Longe de restringir-nos, “o pudor preserva a intimidade da pessoa. Significa recusar-se a revelar o que deveria permanecer escondido.” A Modéstia vela a sexualidade, não porque o desejo sexual é um mal, mas porque o auge da atração sexual está devidamente na privacidade da íntima união do macho e da fêmea, que se tornam uma só carne. No que diz respeito à vida pública, o Catecismo diz que a modéstia “inspira a escolha da roupa.” Que estas palavras nos inspirem todos os domingos (e todos os dias entre eles).

Minhas orientações sobre a modéstia

Como eu não acho que eu possa ensaiar a questão (por assim dizer), vou finalizar com as orientações para a realização da modéstia na Missa embora eu tenha usado os exemplos de shorts de ciclista para homens e minissaias para as mulheres, há obviamente muitas maneiras, para ambos os sexos de ser imodesto. Além disso, embora toda imodéstia seja inadequada na Missa, nem toda a roupa inadequada é imodesta. Galhos não são imodestos – eles são muito bem adequados ao Elks Club -, mas são inadequados na Missa. Moda praia de cores berrantes é igualmente inadequada na Missa, mesmo quando ela é modesta.

Na Missa, uma regra óbvia para os homens e as mulheres é que a roupa deve cobrir o corpo (que é sua função), mas não grudar nele. Aquilo que é colado ao corpo – seja a calças para o homem ou mesmo um vestido longo para a mulher – está à vista e, portanto, à imaginação, como uma segunda pele. Roupas que funcionam como segunda pele estão muito próximas de revelar a primeira pele e são, portanto, imodestas na Missa.

Em segundo lugar, que tal a regra joelho-ao-pescoço? Tudo entre os joelhos e o pescoço deve ser coberto – em homens e mulheres. Isto nos liberta de todas as mesquinhas picuinhas sobre o estado exato de cada item possível de roupas. Decotes vertiginosos, bainhas subindo, barriga e costas nuas, shorts curtos, e assim por diante são todos tabu. Isso não significa que algumas roupas que violam a regra joelho-ao-pescoço não possam comprometer a modéstia na verdade, mas a regra joelho-ao-pescoço, combinada com a regra das roupas soltas, certamente elimina toda falta de modéstia. Desenhar uma linha de um modo mais geral é melhor do desenhá-la muito perto de uma ocasião de pecado.

Então, nos vemos no domingo. Meus galhos ficarão na mala do meu carro, por precaução.

O Autor:

Benjamin Wiker é Ph.D. em Ética Teológica pela Universidade Vanderbilt, e ensinou na Universidade de Marquette, St. Mary’s University (MN), e Thomas Aquinas College (CA). Ele agora é professor de Teologia e Ciências na Universidade Franciscana de Steubenville (OH), e um em tempo integral, um escritor free-lance. Dr. Wiker escreve regularmente para várias revistas, incluindo a Catholic World Report, a New Oxford Review, e a Crisis Magazine, e é um colunista regular do jornal National Catholic Register. Ele publicou três livros, Moral Darwinism: How We Became Hedonists (InterVarsity Press, 2002), The Mystery of the Periodic Table (Bethlehem Books, 2003), and Architects of the Culture of Death (Ignatius, 2004). Ele está atualmente trabalhando em outro livro sobre Design Inteligente para InterVarsity Press chamado The Meaning-full Universe. Ele mora com sua esposa e sete filhos em Hopedale, OH.

Original aqui.

Notas da tradutora:
* Spandex: material usado em roupas íntimas feitas para mulheres para modelar o corpo. Aqui o autor se refere a shorts esportivos, daqueles usados por ciclistas, por exemplo, como os de lycra e materiais semelhantes.