Tags

,

Por Linda

Traduzido por Andrea Patrícia

 

Aqui está uma pintura do pintor impressionista americano, Childe Hassam, intitulado La Bouquetiere and la Latiere. O cenário é Paris provavelmente, o ano é 1888.

Aqui estão duas mulheres no trabalho. Eles não parecem estar posando de forma alguma, com a sua atividade ou a falta dela e, em particular com a indiferença da mulher na porta da leiteria, esta pintura poderia facilmente ser uma fotografia, tirada, por exemplo, por Henri Cartier Bresson. As senhoras estão completamente sem consciência do pintor.

Esta pintura lembra que o varejo é uma arena que sempre empregou as mulheres. Eu nunca encontrei um livro que discute o papel das mulheres no comércio a retalho. Será que a mulher na porta é dona da leiteria, ou será que ela só trabalha lá? Ela tem uma família para ir para casa, ou será que ela vive acima da loja? Ela está esperando por alguém? Ou é o fim do dia, como os jarros de leite em frente da loja podem indicar, e ela está de pé perto da porta para afastar o tédio ou esperando a hora de ir para casa? A qualquer momento, esperamos que ela levante a cabeça ligeiramente, vire-se e volte para dentro. Enquanto isso, a mulher mais jovem faz arranjos de flores e quer ficar pronta para o dia ou regressar do mesmo. Ela parece desatenta da vendedora de lácteos observando-a de cima.

Não há nada romântico sobre as mulheres nesse quadro. Particularmente, Hassam pintou-as com o maior respeito.

Mas as mulheres são também a parte direita e inferior de um triângulo com as cinco jarras de leite, que realmente posam no centro da pintura – objetos do dia-a-dia que ninguém dá atenção, mas que ficaram lindos com a luz refletida nos topos inclinados dos jarros. No seu espírito, a pintura me lembra “A Leiteira” de Vermeer, pintada 220 anos antes.

A Leiteira, de Veermer

Oito das obras Hassam foram mostradas no Armory Show, em 1913, a primeira grande mostra da “arte moderna” nos Estados Unidos, mas Hassam se opôs à mudança para o surrealismo e cubismo, em termos inequívocos e suas pinturas ficaram para trás até que o interesse em impressionistas franceses renovou o interesse em suas contrapartes americanas.

Original em: Under the Gables