Tags

,

Por Linda

Traduzido por Andrea Patrícia

Mending (Remendando), de Tarbell Edmund, 1910

Três anos antes da Exposição Internacional de Arte Moderna, o famoso “Armory Show” em Chicago, que introduziu os Estados Unidos a 634 obras de Goya para os cubistas, Edmund Tarbell pintou Mending. Tarbell, como fizeram muitos artistas americanos, resistiu à virada para a arte abstrata e continuou a pintar os interiores de Vermeer e lembra os pintores da Idade de Ouro holandesa. Os interiores de Tarbell eram os da Nova Inglaterra – esparsos, contidos, não muito confortáveis, mas elegantes.

Eu não gosto de remendar de jeito nenhum, mas esta pintura poderia me inspirar. Hoje em dia, inundados com roupas relativamente baratas, quando alguma coisa fura ou rasga, nós substituímo-lo, não consertamo-lo. Mas remendar costumava ter todo o seu dia próprio no calendário semanal das donas de casa:

Lavar na segunda-feira
Passar na terça-feira
Remendar na quarta-feira
Desnatar na quinta-feira
Limpar na sexta-feira
Assar no sábado
Descansar no domingo

 

As roupas eram usadas até elas literalmente desgastarem, e então o pano restante era reciclado em mantas e outros itens.

Aqui vemos alguém que não é claramente da classe trabalhadora a fazer o seu conserto com considerável concentração. A composição chama-nos de imediato para o rosto da garota. Como é frequentemente o caso, a pintura de uma mulher costurando também é uma pintura de um indivíduo em contemplação, profunda no pensamento, quer sobre o problema em questão ou sobre qualquer outra coisa que não podemos saber.

Enquanto isso, a luz cai sobre ela e a sala da janela à esquerda. Tarbell mesmo se concentrou em capturar o jogo de luz que ricocheteando objeto de cor e a cor que isso cria no ar. Com exceção da saia preta da garota e as pernas da mesa preta, nenhuma parte da superfície da pintura é puramente da mesma cor. A pintura está em constante movimento, como mudanças de cor de um tom para outro e até a cor seguinte.

A luz também cria um halo na cabeça do sujeito e é assim que somos atraídos para o seu rosto em concentração.

 

Original em Under the Gables