Tags

, ,

Por Melissa May

Traduzido por Andrea Patrícia

 

Em um dia desses eu estava conversando com minha sogra sobre todas as mudanças pessoais que vivi nos últimos dois anos. Dei à luz uma menina, lidei com uma depressão grave depois, abracei o movimento da modéstia e recentemente comecei a dar aula em casa para o meu filho mais velho, só para citar algumas.

Falamos sobre o quão difícil e solitária pode ser a maternidade e como é normal sentir-se oprimida pelas mudanças que acontecem em nossas vidas, aquelas que esperávamos e as que não esperávamos. Às vezes é difícil sentir como se eu tivesse minha cabeça parafusada. Ou sem parafuso.

Quando eu toquei no tema da modéstia e sobre como eu percebi que era uma área para a qual eu precisava me dirigir, ela ficou surpresa. Ela disse que nunca me considerou indecente. Ela me conhece há mais de uma década e tem me visto no meu melhor e no meu pior, de modo que ouvir isso vindo dela me surpreendeu.

Enquanto nós conversávamos, eu comecei a perceber como a nossa percepção de nós mesmos pode ser tão diferente da percepção que o outro tem de nós. Às vezes isso é uma coisa boa. Por vezes a nossa percepção de nós mesmos é tão errada que ouvir de quem nós confiamos o que eles vêem pode ser encorajador e até causar alívio. Ouvir um amigo honesto dizer-lhe que não, as sobrancelhas não estão tortas desta vez, ou sim, que você é uma boa mãe, mesmo em seus piores dias, pode ser um presente inestimável.

Enquanto eu tenho que admitir que senti um alívio quando soube que a minha sogra, nunca tinha visto nada que ela achasse imodesto no meu vestuário ou comportamento, ainda permanecia a verdade que eu sei que houve muitas vezes em que eu me senti sem recato e aceitei isso em mim. Pode ser que eu nunca tenha me vestido ou agido de uma forma descuidada, mas eu sei quando estava ultrapassando meus limites. Eu sei quando a minha atitude disse: “olhe para mim”. Eu sei que eu passei muito tempo focando na parte de fora, tentando ganhar mais e mais aprovação de mim mesma e dos outros, e muito pouco tempo abraçando o eterno… a verdade sobre quem eu sou e quem eu fui feito para ser.

Quando eu resolvi adotar a modéstia eu não estava somente escolhendo mudar meu guarda-roupa. Há, honestamente, não foi um lote inteiro que precisava mudar. Não havia honestamente muita coisa a ser mudada. Mas encontrar as poucas coisas que era preciso mudar me ajudou a identificar as atitudes que realmente eu precisava mudar, pois eram as minhas atitudes e crenças que precisavam ser colocadas sob o abrigo da verdade sobre a modéstia, não tanto a minha roupa.

Quando eu escolhi ser mais modesta, fiquei chocada com o que vi em mim. Parei de ficar obcecada sobre o que eu via no espelho físico e finalmente comecei a lamentar sobre o que eu vi no espelho espiritual. Eu tinha trocado a verdade sobre a verdadeira beleza, a beleza que vem de ser honesta, inteligente, compassiva, confiante pelo conjunto de mentiras sobre a importância do tamanho da cintura, tamanho do sutiã ou qualquer outro tamanho. Enquanto escolher a modéstia ajuda a proteger-nos de revelar nossas partes mais vulneráveis ao mundo exterior, também me permitiu revelar algumas das partes mais vulneráveis e perigosas de mim para a pessoa que mais precisava vê-las: Eu

Original aqui.